Como a hashtag viralizou nesse domingo

Suspeito é detido após ataque com faca na estação Leytonstone de metrô, em Londres, no sábado (5) (Foto: Reprodução/Twitter)


Usuários do Twitter estão usando a hashtag #YouAintNoMuslimBruv (algo como "você não é muçulmano, mano") para criticar um homem suspeito de esfaquear três pessoas em uma estação de metrô de Londres na noite deste sábado (5) - e desvincular a ação da religião.

Uma das vítimas sofreu ferimentos graves e as outras ficaram levemente feridas após o ataque, que ocorreu na estação de Leytonstone. Assista ao vídeo.
A polícia classificou o ataque como "incidente terrorista". Testemunhas disseram que o suspeito teria gritado "Isso é pela Síria" durante a ação.

Em um vídeo que mostra os momentos que se seguiram ao ataque, é possível ver o suspeito no chão, após ser imobilizado pela polícia com choque de uma arma taser.
Também é possível ouvir um homem gritando: "Você não é muçulmano, mano".
A frase foi interpretada como uma forma de dizer que as ações do homem eram simplesmente o ato de um assassino, não de alguém querendo apoiar a Síria.

Ela se tornou viral nas redes sociais, sendo compartilhada milhares de vezes por usuários que dizem que ela é a resposta perfeita para as tentativas de espalhar terror e violência em Londres.

Neste domingo, a hashtag entrou nos trending topics do Reino Unido no Twitter.
Os usuários disseram também que estavam orgulhosos por serem londrinos e que a mensagem enfraquece o terrorismo.

"A hashtag é a resposta mais londrina ao ataque que você poderia imaginar e resume como nos sentimos sobre esses maníacos", disse um post.

"#YouAintNoMuslimBruv é perfeito: real, inclusivo e enfraquece a causa terrorista", escreveu outro.
"'Você não é muçulmano, mano. Você é uma vergonha. O passageiro resume os últimos dez anos em uma frase", postou outro usuário.
A hashtag #YouAintNoMuslimBruv vem depois de outras mensagens desafiadoras nas redes após ataques terroristas.

Após os atentados de Paris, #PorteOuverte (porta aberta) foi usada por pessoas oferecendo abrigo a outras que não conseguiam voltar para casa devido aos ataques.
Outras hashtags também viralizaram, como #TerrorismHasNoReligion (Terrorismo não tem religião).

Após os ataques à revista Charlie Hebdo, no início do ano, #JeSuisCharliecharlie foi compartilhado por pessoas de todo o mundo.

Em Londres, políticos também aderiram à campanha.
"Para derrotar o terrorismo, devemos desafiar diretamente sua ideologia venenosa", disse Sadiq Khan, pré-candidato do Partido Trabalhista à Prefeitura de Londres em 2016.

Fonte: BBC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin